quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Sindijor protocola ofícios requerendo fiscalização em veículos


No dia 18 de dezembro, o Sindijor encaminhou cinco pedidos de providências à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego em Curitiba nos quais denuncia violações à regulamentação da profissão e à Convenção Coletiva de Trabalho. Os diretores Pedro Serápio (Defesa Corporativa) e Wilson Soler (Fiscalização) protocolaram pessoalmente os pedidos. Num deles, a Gazeta Mundial, jornal de Toledo, é denunciada por exigir dos jornalistas jornada superior às 5 horas previstas na CLT. A situação se repete nos jornais Hoje e O Paraná, de Cascavel, onde também, segundo denúncias, teriam sido implantados bancos de horas irregulares. O uso indevido de estagiários em atividades jornalísticas foi o objeto de denúncias contra a Rede Massa, o Conselho Regional de Corretores de Imóveis e na Gazeta do Povo. Na TV Iguaçu, que integra a Rede Massa, foi denunciada também a adoção de compensação de banco de horas irregular. (Fotos: Adir Nasser Junior)

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Frente Parlamentar - reflexos na imprensa

Clique na imagem para ver o que saiu nos veículos on-line sobre o lançamento da Frente Parlamentar em Defesa do Diploma de Jornalista na Assembleia Legislativa do Paraná no dia 7 de dezembro.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Lançada na Assembleia Frente Parlamentar de Defesa do Diploma

Em Curitiba, presidente da Fenaj defende a centenária luta dos jornalistas pela formação

Foi lançada oficialmente ontem (7), na Assembleia Legislativa do Paraná, a Frente Parlamentar em Defesa do Diploma para Jornalistas. Numa iniciativa pioneira entre os legislativos estaduais, o agrupamento de deputados, mobilizado pelo Sindijor-PR e Sindicato dos Jornalistas de Londrina, vai dar visibilidade e respaldo à luta da categoria para restaurar a formação superior específica como requisito de acesso à profissão.

A partir de agora, os embates dos jornalistas, que se dão no Congresso Nacional, para aprovação de emenda à Constituição, devem agora a encontrar apoio nas Assembleias Legislativas de diverso Estados do país, onde os representantes da população devem dar eco à opinião pública, amplamente favorável ao diploma.

“A regulamentação da profissão de jornalista existe há 70 anos e há mais de 40 anos foram criados os cursos de Jornalismo. Infelizmente sofremos um revés que significa um retrocesso”, disse Sérgio Murillo de Andrade, presidente da Fenaj, que usou a tribuna do Plenário para agradecer o apoio dos parlamentares. Ele lembrou que a luta dos jornalistas pela profissionalização vem de décadas, sendo que a primeira iniciativa em prol da criação de escolas para a qualificação profissional remonta à fundação da Associação Brasileira de Imprensa, há mais de 100 anos.

Em seu pronunciamento, Sérgio Murillo aproveitou para criticar
editorial publicado “coincidentemente” ontem na Gazeta do Povo, que tentou desqualificar a luta dos jornalistas para restaurar a obrigatoriedade do diploma por meio de emenda à Constituição. “(O editorial) cita texto da Constituição, o artigo 5º, que estabelece o direito ao livre acesso a qualquer trabalho, ofício ou profissão. É livre acesso à profissão de economista? De administração? Advogado? Por isso, com apoio dos senhores deputados, poderemos reverter essa situação, criada pelo STF”, afirmou.

A frente já conta com a adesão do presidente da Assembleia, Nelson Justus (DEM), e dos líderes do governo, Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), e da oposição, Élio Rusch (DEM), além do deputado Professor Lemos (PT). “Embora essa discussão seja de responsabilidade de órgãos federais, oferecemos nosso apoio integral. Sabemos da importância do direito da sociedade de receber informação apurada por profissionais com formação, e capacitados para exercer o Jornalismo”, disse Justus.

Segundo o presidente do Sindijor, Marcio Rodrigues, com a formação da frente, será possível realizar audiências públicas pelo Estado para que especialistas, com diversas posições acerca do tema, possam discutir a regulamentação da profissão. Participou do lançamento da frente o jornalista Ayoub Hanna Ayoub, presidente do Sindicato dos Jornalistas de Londrina e Região.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Presidente da Fenaj vem ao Paraná para lançamento de Frente Pró-Diploma

O presidente da Fenaj, Sérgio Murillo de Andrade, estará em Curitiba na próxima segunda-feira (7), às 15h, para participar na Assembleia Legislativa do lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Formação Superior em Jornalismo, iniciativa para respaldar o trabalho feito no Senado e na Câmara Federal em defesa da restauração do requisito da formação específica para o exercício de funções privativas de jornalista por meio de emenda à Constituição.

O dirigente fará um pronunciamento no Grande Expediente em defesa dos jornalistas paranaenses para manter a exigência na Convenção Coletiva de Trabalho. Integrantes da direção do Sindijor estiveram na Assembleia Legislativa, onde encontrara ampla receptividade dos parlamentares à luta pelo diploma. A proposta da frente tem o apoio dos líderes do Governo, Luiz Claudio Romanelli, e da Oposição, Elio Lino Rush, entre outros.

O deputado Tadeu Veneri (PT), em discurso no Plenário, fez ampla defesa da categoria. “Acostumados a achatar os salários por conta de uma oferta de postos de trabalho inferior a disponibilidade de novos profissionais no mercado de trabalho, os barões da mídia no Paraná aproveitaram o equívoco do STF, que julgou que a exigência da formação para o exercício da profissão de jornalistas representa o cerceamento da liberdade de expressão, para exigir o mesmo na CCT dos jornalistas do Paraná”, afirmou o deputado.

Convocamos os jornalistas a participar do lançamento da Frente Parlamentar no plenário da Assembleia Legislativa na próxima segunda-feira, dia 7, às 15h.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Vitória: PEC do Diploma passa na CCJ do Senado

Foto: José Cruz/Ag. Senado
Senadores durante reunião da CCJ desta quarta-feira (2)


A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou no começo da tarde desta quarta-feira (2) o parecer do senador Inácio Arruda (PCdoB-CE) à Proposta de Emenda à Constituição 33/2009 ,que restaura a obrigatoriedade do diploma para o exercício da profissão.

Com apenas dois votos contrários --de Demóstenes Torres (DEM-GO) e de ACM Jr. (DEM-BA)--, a proposta, de autoria do senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), vai ao plenário do Senado.

A vitória na Casa segue-se à aprovação na CCJ da Câmara de proposta de teor semelhante. Na versão do Senado, fica ressalvado expressamente o direito de que colaboradores (pessoas sem formação e sem vínculo empregatício com o veículo) possam se manifestar livremente nos veículos sobre seus ramos de especialidade – a exemplo do que já ocorria com a regulamentação então vigente.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Pelo SIM à PEC 33/09 - Mobilização sobre senadores da CCJ

Abaixo segue o modelo de mensagem a ser enviada aos senadores da CCJ do Senado que permanecem em dúvida quanto à PEC do Diploma, que vai ser votada nesta quarta-feira (dia 2). Trata-se apenas de um modelo, que pode ser alterado, no que se considerar necessário. O que importa é que todos enviem mensagens aos parlamentares e repliquem a mobilização nos seus contatos.

gilvamborges@senador.gov.br; acmjr@senador.gov.br; katia.abreu@senadora.gov.br; cesarborges@senador.gov.br; mercadante@senador.gov.br; marinasi@senado.gov.br; adelmir.santana@senador.gov.br; lobaofilho@senador.gov.br; efraim.morais@senador.gov.br; jose.agripino@senador.gov.br; eliseuresende@senador.gov.br; gim.argello@senador.gov.br; demostenes.torres@senador.gov.br; wellington.salgado@senador.gov.br; raimundocolombo@senador.gov.br


Assunto: Pelo SIM à PEC 33/09 que restaura a obrigatoriedade do diploma de Jornalista

Exmo. Sr(a) Senador(a) Membro da CCJC do Senado Federal

Prezado(a) Senador(a),

Os jornalistas brasileiros reiteram a certeza de que V. Exa. tem a convicção do direito da categoria à organização do seu trabalho e à regulamentação profissional. Temos a esperança de que V. Exa. saberá restaurar na CCJC do Senado Federal esse direito dos jornalistas brasileiros, reparando a agressão fatal a nossa organização que recentemente sofremos.

Não pode ficar nas mãos das empresas de comunicação o poder de dizer quem pode e quem não pode ser jornalista. Isto não é democrático. É a negação do conhecimento como mérito e da ética como prática no exercício profissional. No último dia 20/10, a Associação Nacional dos Jornais (ANJ) publicou artigo nos grandes jornais de todos os Estados condenando à morte a formação, o conhecimento e a ética no Jornalismo, ao atribuir a si o poder de decidir quem será jornalista. Um artigo intimidatório. Não confessa os interesses que estão por trás dessa intimidação: precarizar o trabalho, quebrar a organização dos jornalistas.

Acreditamos na consciência livre dos Senadores do Brasil. Os jornalistas brasileiros e o Jornalismo com qualidade e credibilidade contam com o apoio de V. Exa. à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 33/09 que dá nova regulamentação e restaura a obrigatoriedade do diploma para o exercício profissional do Jornalismo deve ser votada na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC) do Senado Federal nesta quarta-feira, dia 02 de Dezembro. Acreditamos que este colegiado saberá reparar o equívoco gerado pelo STF ao liquidar a formação superior para o exercício da profissão. Vale lembrar que na Câmara Federal, a proposta correlata (PEC 386/09) já foi aprovada em primeira discussão na CCJ.

Saudações,

[Nome– Jornalista Profissional Diplomado – 00000]

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Diploma - Jornalistas exigem em assembleia formação superior específica

Mais de 50 jornalistas passaram na assembleia de hoje. Plenário do Sindicato ficou lotado

Em decisão unânime, os jornalistas paranaenses, reunidos hoje em assembleia na sede do Sindijor, manifestaram que não aceitam a precarização da profissão e rejeitaram a proposta patronal de retirar da Convenção Coletiva de Trabalho a previsão de contratação exclusiva de jornalistas formados para atuar em atividades privativas em empresas de comunicação do Paraná. A decisão deve ser confirmada na assembleia local de Foz do Iguaçu, que será realizada hoje às 20h.
Com a decisão, os jornalistas paranaenses vão prosseguir lutando pelo fechamento da CCT nos termos já apresentados aos patrões na negociação do dia 3 de novembro: renovação da convenção coletiva atual, com a reposição da inflação do período (4,45%, segundo o INPC do IBGE) retroativa a 1º de outubro (nossa data base já está assegurada), além da abertura de um canal permanente para negociação mais ampla (hoje já previsto, mas solenemente ignorado pelos patrões).
Vale lembrar que a proposta pela renovação é a redução de outra, bem mais ampla que a atual, prevendo aumento real e vale alimentação. Ao aceitar uma proposta mais enxuta, os jornalistas pretendiam acelerar o fechamento da convenção para continuar a negociação de novas conquistas posteriormente. No entanto, neste período, os patrões, embalados pela toada do STF, viram uma oportunidade de apostar na ruína da profissão propondo a supressão da Cláusula 38 da Convenção.
Na assembleia de hoje, os jornalistas aprovaram uma mudança na redação da cláusula, de modo que não seja envolvida a decisão do Supremo (veja quadro abaixo), mas não abrem mão, em hipótese alguma, que as redações fiquem, ao gosto de Gilmar Mendes e do patronato, abertas a pessoas sem capacitação, capazes de se submeter a jornadas muito acima das 5 horas previstas em lei, recebendo salários inferiores ao piso da categoria, enfim, incapazes de se articular contra os abusos e desmandos patronais, acabando com o espaço dos profissionais e deteriorando a qualidade da informação.




Investida

Impulsionada pela decisão do Supremo, a ação patronal contra este pilar da regulamentação vem acontecendo em alguns Estados brasileiros que têm a garantia do diploma prevista na CCT dos jornalistas. No Ceará, numa negociação tensa, que incluiu até mesmo greve, os jornalistas conseguiram manter o diploma assegurado na convenção. Agora, no Paraná, os jornalistas já preparam ações para deixar claro ao patronato da mídia que não aceitam ser submetidos à precarização das condições de trabalho e virtualmente à ruína da profissão que representaria a abertura do mercado aos precários.

Veja a redação atual e a proposta:

Gazeta do Povo condenada - Justiça reconhece tunga milionária em jornalistas

Clique na figura abaixo para ler o acórdão da Terceira Turma do Tribunal Regional do Trabalho do Paraná que confirmou decisão de primeira instância condenando a Editora Gazeta do Povo a restabelecer o pagamento da gratificação de aniversário – paga como um "14º salário", nos meses de fevereiro e subitamente suspensa em 2002 – aos jornalistas que a receberam pelo menos uma vez. Na ação, que a empresa conseguiu arrastar até o Tribunal Superior do Trabalho para protelar a condenação, já foram apurados valores devidos aos jornalistas de mais de R$ 1 milhão. Como a soma é alta, dirigentes da empresa perderam a cabeça e passaram a usar métodos espúrios para constranger os jornalistas a desistir do pleito.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Em legítima defesa!


Eles querem acabar com o seu diploma: venha resistir na Assembleia da categoria

Quase dois meses depois de nossa data-base, os patrões insistem em propor perdas aos jornalistas na nossa Convenção Coletiva. Eles querem surrupiar o diploma, que consta da convenção como requisito para a contratação de pessoal nas TVs, rádios, jornais e revistas do Estado, o que vem desde antes da decisão do STF. Venha mostrar que estamos unidos pela formação superior específica participando da Assembleia Extraordinária, que acontece nesta quinta-feira, a partir das 13h, na sede do Sindijor. Temos de fazer a defesa da nossa profissão contra mais este assédio patronal.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Patrões dizem não, de novo! - Assembléias vão definir posição da categoria

Por uma questão política, os empresários de comunicação do Paraná insistem em retirar a exigência do diploma da Convenção Coletiva de Trabalho dos jornalistas. Foi o que revelou o representante dos dois sindicatos patronais, o advogado Roberto Santiago, durante a quarta rodada de negociações, que aconteceu na terça-feira, na sede do Sindijor. Os jornalistas que participaram do protesto contra o ministro Gilmar Mendes e acompanharam a reunião que ocorreu logo em seguida acabaram frustrados pela intransigência dos patrões. A posição dos donos dos veículos paranaenses explicita o que eles realmente desejam com a queda do diploma: desregulamentação da profissão e precarização das relações trabalhistas. Além disso, a posição dos empresários na mesa de negociação é bem diferente do que a postura que adotaram publicamente. Paulo Pimentel, proprietário do jornal o Estado do Paraná, ao assumir a presidência do Sindejor, declarou que só contrataria jornalista diplomado para trabalhar em sua empresa. E logo depois da decisão do STF, o jornal estampou um editorial que defendia a formação específica para o exercício da profissão. Já o presidente do Serti, o engenheiro e pai de uma jornalista, Roberto Lange, também já tinha manifestado posição favorável ao diploma na negociação de 2008. O que fez os patrões mudarem de lado? Seria a pressão do maior grupo de comunicação do estado, a RPC, que já demonstrou total desrespeito a categoria ao abrir seu “cursinho” Talento Jornalismo a não-diplomados na área? O Sindijor convoca seus associados para dizer “não” à proposta patronal na assembléia que convocará para a semana que vem. Queremos fazer valer não só o respeito à profissão, mas também legitimar o desejo da sociedade que em pesquisa realizada em 2008, pelo Instituto Sensus, demonstrou sua preferência pela obrigatoriedade da graduação para o exercício da profissão de jornalista. O resultado de tal pesquisa* apontou que 74,3% dos brasileiros são favoráveis ao Diploma.
* A pesquisa foi realizada de 15 a 19 de setembro, com dois mil questionários aplicados em cinco regiões brasileiras e 24 estados, com sorteio aleatório de 136 municípios pelo método da Probabilidade Proporcional ao Tamanho – PPT. A margem de erro é de mais ou menos 3%.

Parceria Icon/Sindijor: desconto de 20% em cursos de informática

A Icon Comunicação e Treinamento em Informática, de Curitiba, em convênio com o Sindijor para oferecer aos jornalistas descontos de 20% nos valores dos cursos de informática na área gráfica, está com os cursos de Corel, Photoshop, Illustrator e InDesign (de R$ 260,00 por R$ 208 à vista, ou 2x R$ 112,00, sendo o valor cheio 2x R$ 140,00), 3ds MAX (de R$ 580,00 por R$ 464,00 à vista ou 2x R$ 248,00, sendo valor cheio 2x R$ 310,00), Premier (de R$ 420,00 por R$ 336,00 à vista, ou 2x R$ 184,00, sendo o valor cheio 2x R$ 230,00), Office (Word, Excell, Power Point – de R$ 220,00 por R$ 176,00 à vista ou 2x R$ 96,00 sendo o valor cheio 2x R$ 120,00). Veja programação para os próximos meses no blog da Icon (http://icontreinamento.blogspot.com). Para inscrições, os interessados devem entrar em contato com a Icon pelos telefones (41) 2105-0663 ou 9644-7224, ou e-mail icon.com@terra.com.br e tratar com o professor Luiz Bodachne Jr.

Jornalistas da TV Independência, candidatem-se à Cipa

A TV Independência deu início ao processo eleitoral para Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa). O Sindijor convida os profissionais da redação a participar do pleito, de maneira que pelo menos dois jornalistas integrem a comissão, que tem papel decisivo na preservação da saúde e da integridade física dos trabalhadores. A participação na Cipa, além da participação direta na gestão das políticas de prevenção na empresa, garante estabilidade ao trabalhador que a integra pela escolha dos empregados (há membros também indicados pela empresa). As inscrições para a eleição vão de 20 de novembro de 4 de dezembro. As eleições serão realizadas no dia 14 de dezembro, das 9h às 17h. Os membros da Cipa passarão por treinamento, antes de assumirem os postos no dia 16 de janeiro.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Botina no Gilmar Dantas: protesto nesta terça-feira no Sindijor




Fotos de Carolina Siedlecki

Terça intensa no Sindijor: protesto, negociação e cultura

Nesta terça-feira, quando se completam cinco meses da absurda decisão do STF sobre nosso diploma, os jornalistas do Paraná terão a oportunidade de protestar e fazer uma boa ação. O Sindijor vai promover a partir das 13h, na sua sede, a manifestação “Sapatada no Gilmar Dantas”. A idéia é que os jornalistas compareçam com um par de sapatos usados, para jogar no banner “Fora Gilmar Dantas”, repetindo o gesto do jornalista iraquiano Muntazar Al-Zaydi que, numa coletiva, arremessou a sua bota no George Bush. Os sapatos arrecadados serão repassados a uma instituição de caridade.
Negociação - Logo depois, às 14h, acontece mais uma rodada de negociação entre o Sindijor e os Sindicatos Patronais. O protesto servirá como um aviso aos patrões, tirar da nossa Convenção Coletiva de Trabalho justamente uma cláusula que obriga as empresas a contratarem jornalistas diplomados. Foi esta a última proposta apresentada por eles ao sindicato. Vamos mostrar a eles que nós não aceitamos precarizar nosso trabalho. Nenhum direito a menos!
Exposição - Ainda nesta terça, meia hora depois do protesto, no Sindijor acontece a abertura da exposição “Um olhar sobre a Terra Indígena de Mangueirinha”, da fotógrafa Josina Melo. O trabalho é resultado de pesquisa de um ano sobre os povos Kaigang e M’bya Guarani. A mostra, que ficará no Sindijor até 23 de dezembro, tem o apoio da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e da Ticcolor.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Boletim Mural Campanha nº 7 - Tudo ao mesmo tempo...


Terça intensa: abertura da exposição de Josina Melo

Meia hora depois da "sapatada no Gilmar Dantas", o Sindijor convida os presentes a participar da abertura da exposição “Um olhar sobre a Terra Indígena de Mangueirinha”, da fotógrafa Josina Melo. O trabalho é resultado de pesquisa de um ano sobre os povos Kaigang e M’bya Guarani. A mostra, que ficará no Sindijor até 23 de dezembro, tem o apoio da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e da Ticcolor.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Publicado acórdão com a decisão do STF sobre o diploma

Foi publicado nesta sexta-feira o acórdão do STF relatado pelo presidente Gilmar Mendes que extinguiu a obrigatoriedade da formação superior específica e do registro profissional para o exercício do Jornalismo. O julgamento ocorreu em 17 de junho, deixando revoltados os jornalistas brasileiros e apreensiva toda a sociedade, com a supressão da garantia de qualidade e ética na informação. “A ordem constitucional apenas admite a definição legal das qualificações profissionais na hipótese em que sejam elas estabelecidas para proteger, efetivar e reforçar o exercício profissional das liberdades de expressão e de informação por parte dos jornalistas. Fora desse quadro, há patente inconstitucionalidade da lei”, diz o acórdão, que pode ser visto na íntegra aqui. Com a publicação do acórdão, o Sindijor e a Fenaj vão consultar o Ministério do Trabalho e Emprego para que sejam dadas as orientações sobre as novas formas de acesso à profissão.

Na abertura da exposição de Josina Melo, no Sindijor, venha dar uma sapatada no Gilmar Mendes

Jornalista, enquanto nos mantemos coesos, tentando reverter no Congresso Nacional a perda da obrigatoriedade do diploma, vamos participar de uma “sapatada” no Gilmar Mendes. O evento lúdico-político de expressão da nossa revolta será na próxima terça-feira, às 13h, na sede do Sindijor. Traga um sapato velho para repetir o gesto do jornalista iraquiano Muntazar Al-Zaydi, que arremessou a botina em George Bush durante uma coletiva em Bagdá. Haverá um banner representando o presidente do STF, que relatou a lamentável decisão que acabou com a exigência do diploma, e nele os jornalistas poderão descontar sua insatisfação e revolta. Logo depois, será aberta a exposição “Índios do Paraná”, da fotojornalista Josina Melo, no saguão do Edifício Casa do Jornalista.
NegociaçãoOs patrões, na última mesa-redonda, voltaram a insistir na supressão da cláusula na nossa Convenção Coletiva que garante a exigência do diploma na contratação de profissionais pelos jornais, revistas, rádios e TVs do Estado. Diante desse ataque à formação específica em Jornalismo e do desrespeito à pauta de reivindicações — protocolada em 24 de agosto e que segue sem resposta efetiva —, mais do que nunca é hora de mostrarmos a indignação da categoria. Portanto, todos os jornalistas estão convidados a participar da próxima reunião de negociação, que está marcada para também para terça-feira, às 14h, na sede do Sindijor-PR. Nenhum direito a menos!

Sindijor lamenta fechamento do Cine Luz e a falta de políticas públicas para a cultura em Curitiba

O Sindijor-PR acompanha com atenção a decisão da Prefeitura Municipal de Curitiba anunciada esta semana de fechar mais um espaço consagrado de cultura da cidade – o Cine Luz, ponto tradicional dos cinéfilos no Centro da Capital, supostamente por motivos de segurança e acessibilidade do imóvel. O Sindicato dos Jornalistas, juntamente com os demais setores da sociedade, vai fiscalizar o cumprimento da promessa da Prefeitura de criar duas novas salas na Rua Riachuelo, com o processo de revitalização daquela via. Elas seriam batizadas com os nomes de Luz e Ritz, este outro cinema da Fundação Cultural de Curitiba fechado em abril de 2005, sob a alegação de falta de um acordo satisfatório com o proprietário sobre o uso do imóvel. Vale lembrar que o Cine Guarani, no Centro Cultural do Portão, foi fechado em 2000 também sob o argumento de falta de segurança, e só deve voltar a operar no remoto primeiro semestre de 2011, perfazendo uma década sem a atração. Mais do que ações isoladas em prol da cultura, o Sindijor vai cobrar da Administração de Curitiba e de todos os municípios do Estado o estabelecimento de consistentes políticas públicas na área de cultura incluindo os cinemas, de maneira a devolver a essas salas o público que acabou se afastando exatamente por falta de ações mais incisivas do poder público. Mas não só: que tais políticas contemplem a ampla participação da sociedade no processo decisório, para que os interesses de todos os grupos sejam contemplados.

Conselho de Ética do Sindijor toma posse para três anos de gestão

Tomou posse nesta terça-feira o novo Conselho de Ética do Sindicato dos Jornalistas do Paraná. Os conselheiros escolheram como presidente Mario Messagi Junior, ex-presidente do Sindijor e professor da disciplina de Ética e Legislação do curso de Jornalismo da UFPR. Além de Messagi integram o Conselho Elza Oliveira, Osni Gomes, Hamilton Cesário, Carlos Bório, Douglas Fernandes e Aurélio Munhoz. O conselho tem mandato de três anos e é desvinculado da diretoria do Sindijor; ele tem a incumbência de aplicar, apurar transgressões e fazer cumprir o Código de Ética do jornalista; e aplicar as sanções que considerar pertinentes.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Tributo a Claudio Seto neste fim de semana em Curitiba

O artista Claudio Seto, que faleceu em 15 de novembro do ano passado, será homenageado neste fim de semana (dias 13, 14 e 15 de novembro) na Praça do Japão, em Curitiba. No Tributo a Claudio Seto, além de exposição da vida e obra do artista e de cultos ecumênicos, também serão realizados workshops, palestras e exposições. No dia 14 de novembro, as 11h30, será feita uma homenagem a Seto, com o lançamento de 1000 balões brancos contendo sementes para que elas possam ser semeadas e ajudar a embelezar a cidade que ele amava. Seto foi o introdutor do mangá no Brasil e em vida recebeu os títulos de Mestre e Grande Mestre do Quadrinho Brasileiro. Na década de 70, Seto começou a atuar como artista plástico sendo premiado em salões nacionais e internacionais. Em 1975 mudou-se para Curitiba e além de artista começou a atuar como chargista e ilustrador em jornais. Também atuou como jornalista editando jornais da comunidade nipo-brasileira. Escreveu livros sobre imigração e cultura japonesa. Também fazia haikais (poemas) e bonsais (árvores em miniatura). Escreveu e ilustrou mais de 200 lendas japonesas. Foi o introdutor dos matsuris (festivais) em Curitiba. Para mais informações, muyeda5@hotmail.com e muyeda5@gmail.com
Foto: Denise Romero/divulgação

Vitória! PEC do Diploma supera a barreira na CCJ da Câmara

Foto: Assessoria do deputado Paulo Pimenta

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou na manhã desta quarta-feira (11) a admissibilidade (exame prévio de constitucionalidade) da PEC 386/09, que restabelece a exigência de diploma para o exercício da profissão de jornalista. A CCJ seguiu o parecer favorável do relator, deputado Maurício Rands (PT-PE). A PEC de autoria do deputado Paulo Pimenta (PT-RS) seguirá agora para uma comissão especial, que será criada para analisar o mérito. Posteriormente, a proposta precisará ser votada em dois turnos pelo Plenário, antes de seguir para o Senado.
Oposição – A votação foi simbólica. O único voto contra foi do PSDB, por meio do deputado Antônio Carlos Pannunzio (SP). Ontem, a entidade patronal Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) aprovou resolução pedindo aos presidentes do Senado e da Câmara que não se aprove a exigência do diploma. Para a entidade patronal, que concluiu ontem sua 65ª Assembleia, em Buenos Aires, o entendimento do STF deve ser preservado.
Sindicatos acompanhando - A diretora financeira do Sindijor, Aniela Almeida, acompanhou no Congresso Nacional a votação da proposta. Ontem, ela esteve reunida com parlamentares em Brasília para sensibilizá-los sobre a necessidade da aprovação da medida, que deve reparar o erro histórico do Supremo Tribunal Federal, que considerou o requisito inconstitucional. Além de Aniela acompanharam a reunião da CCJ dirigentes de sindicatos de São Paulo, Distrito Federal, Espírito Santo, Minas Gerais, Ceará, Rio Grande do Sul, Alagoas e Município do Rio de Janeiro.
Senado – Na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, está sendo apreciada a PEC 033/2009, que tem parecer favorável do senador Inácio Arruda (PCdoB-CE). Os dois senadores paranaenses que integram a Comissão – Osmar Dias (PDT) e Álvaro Dias (PSDB) – já adiantaram que pessoalmente são favoráveis à restauração da exigência do diploma. O terceiro senador paranaense, Flávio Arns (PSDB), também se declarou favorável à volta do requisito.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Conferência de Comunicação aprova 250 propostas

Fotos: Arnaldo Alves
A 1ª Conferência Estadual de Comunicação, que se encerrou no domingo, dia 8, no Canal da Música, em Curitiba, enviará 250 propostas e 81 delegados à Conferência Nacional, que ocorrerá em Brasília, em dezembro. Cerca de 500 representantes da sociedade civil organizada – entre os quais 10 diretores do Sindijor –, empresários e entidades governamentais discutiram desde sexta-feira mudanças no panorama da comunicação no Brasil. Entre as teses aprovadas, estão algumas relacionadas às lutas dos jornalistas, como de repúdio à decisão do STF que extinguiu a obrigatoriedade do diploma para o exercício da profissão (unânime) e a da criação de um Conselho Federal dos Jornalistas como instrumento para a aplicação do Código de Ética da profissão. Outras teses foram resultantes das conferências municipais e locais de comunicação, realizadas nas últimas semanas. Mais, aqui.

Jornalista, reivindique dos deputados a aprovação da PEC do Diploma

O Sindijor convida todos os jornalistas do Estado a enviar mensagens aos parlamentares paranaenses que integram a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara, instando-os a votar favoravelmente à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 386/09, que restaura a obrigatoriedade do diploma para o exercício do Jornalismo. A proposta sobreviveu à primeira tentativa de sepultamento na semana passada e deve ser votada nesta quarta-feira. O deputado paranaense titular na comissão é Osmar Serraglio (dep.osmarserraglio@camara.gov.br) e os suplentes são Ricardo Barros (dep.ricardobarros@camara.gov.br), Odílio Balbinotti (dep.odiliobalbinotti@camara.gov.br) e Dilceu Sperafico (dep.dilceusperafico@camara.gov.br). Para obter os e-mails de todos os membros da CCJ, clique aqui.

Acordo coletivo da RPC ganhará adendo para contemplar horário de refeição

Foi fechado no dia 5, no Ministério Público do Trabalho, em Curitiba, um acordo para elaboração de um termo aditivo ao acordo coletivo de trabalho de expansão de jornada e compensação por banco de horas dos jornalistas das TVs do Grupo RPC prevendo intervalo para refeição e descanso. Trata-se do primeiro aditivo ao acordo fechado no mês passado, após gestões do Sindijor para minimizar as perdas dos trabalhadores.

Trabalhadores param por aquilo que revolta também os jornalistas: descumprimento de CCT

Em São Paulo, trabalhadores da empresa de transporte urbano Sambaíba, responsável por 143 linhas de ônibus na região norte da capital paulista, realizaram na última quinta-feira uma paralisação por algumas horas. A razão: a empresa não quer cumprir cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho sobre vale-refeição e adiantamento salarial para acidentados no trabalho. Em Curitiba, trabalhadores da Companhia de Informática do Paraná (Celepar) prosseguem em greve desde quarta-feira passada, indignados com os constantes desrespeitos ao Acordo Coletivo de Trabalho fechado em junho. Entre os abusos aos direitos dos trabalhadores, estão violações aos auxílios creche e educação, além da implantação unilateral de um banco de horas pela empresa, cuja interpretação é sempre conveniente ao empregador. Os jornalistas têm sua convenção coletiva de trabalho desrespeita da dia a dia: salários abaixo do piso convencional, horas extras habituais e sem o devido adicional de 100% sobre a hora normal, ambientes insalubres para o trabalho (calor, falta de aeração, iluminação ruim) e móveis totalmente fora de qualquer padrão de ergonomia, causando com frequência doenças ocupacionais; nossa pauta para a nova CCT é desconsiderada, com uma contraproposta de perdas. Não será o momento de nos espelharmos nos companheiros de outras categorias que, país afora, dão uma resposta de consciência e mobilização aos patrões que só propõem supressão de direitos e desrespeito? Pense a respeito, mas desde logo se sinta convocado a participar da próxima sessão de discussão com os patrões sobre a CCT, que acontecerá no dia 17, às 14h, na sede do Sindijor-PR (rua José Loureiro, 211). Nenhum direito a menos!

PEC do Diploma no Senado tem parecer favorável de relator

O senador Inácio Arruda (PCdoB-CE) apresentou relatório favorável à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 33/200, de autoria do deputado Antônio Carlos Valadares, que restitui a obrigatoriedade da formação superior em Jornalismo para o exercício da profissão. A PEC tramita na Comissão de Constituição e Justiça do Senado e conta com a subscrição de 50 dos 81 senadores. Segundo Arruda, a faculdade de Jornalismo tem um papel fundamental na formação do profissional. “Não se resume a um estudo puramente técnico, pois ser jornalista não é apenas escrever bem. Por se tratar de uma profissão que desempenha função social, o jornalismo requer formação teórica, cultural e técnica adequada, além de amplo conhecimento da realidade”, afirmou o relator.
Câmara – A outra Proposta de Emenda à Constituição, da Câmara, deve ter sua apreciação quanto à admissibilidade concluída no dia 11. Na última quarta-feira, houve uma tentativa de sepultar a proposta, capitaneada pelo deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA), que fez as vezes de esbirro do patronato da mídia, prometendo “colocar pedras no caminho” do projeto.
Acórdão – Em reunião com a deputada Rebecca Garcia, da Frente Parlamentar em Defesa da Formação em Jornalismo, na quarta-feira, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, relator da decisão no recurso extraordinário que suprimiu o requisito do diploma, informou que a publicação do acórdão deve ocorrer ainda este mês, mas sem data definida. Hoje, foi publicada a ementa do acórdão da ADPF 130, que considerou totalmente não recepcionada pela Constituição de 1988 a Lei de Imprensa (Lei 5250/67), Veja a ementa
aqui.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Jornalista, vamos reafirmar diante dos patrões a defesa do diploma

Foto: Leandro Taques
Os patrões, na mesa-redonda de terça-feira, na SRTE, voltaram a insistir na supressão da cláusula na nossa Convenção Coletiva que garante a exigência do diploma na contratação de profissionais pelos jornais, revistas, rádios e TVs do do Estado. Diante desse ataque à formação específica em Jornalismo e do desrespeito à pauta de reivindicações — protocolada em 24 de agosto e que segue sem resposta efetiva —, mais do que nunca é hora de mostrarmos a indignação da categoria. Portanto, todos os jornalistas estão convidados a participar da próxima reunião de negociação, que está marcada para o dia 17 de novembro, às 14h, na sede do Sindijor-PR (rua José Loureiro, 211). Nenhum direito a menos!

Prêmio Ocepar de Jornalismo: inscrições até sexta-feira

Foi prorrogado o prazo de postagem e também de veiculação dos trabalhos para a sexta edição do Prêmio Ocepar de Jornalismo. Os interessados em participar tem até o dia 6 de novembro, para veicular/publicar suas matérias/reportagens e postar nos correios. A mudança ocorreu devido ao feriado do dia 2 de novembro. Podem ser inscritos até essa nova data trabalhos publicados ou veiculados entre 1º de janeiro e 6 de novembro de 2009, nas categorias jornalismo impresso, telejornalismo, radiojornalismo, mídia cooperativa, especial ramo crédito e especial ramo saúde. Serão premiadas as melhores reportagens relacionadas aos diversos ramos do cooperativismo: agropecuário, crédito, saúde, transporte, turismo, habitacional, educacional, infraestrutura (eletrificação rural), consumo, mineral e trabalho. Mais informações http://www.ocepar.org.br ou pelo telefone (41) 3200-1150.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

SEM DIPLOMA NÃO HÁ ACORDO

Patrões aceitam renovar a CCT...
Hoje pela manhã, na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Paraná, mais uma mesa-redonda reuniu jornalistas, de um lado, e empresários de jornais, rádios e TVs, do outro. E mais uma vez não houve resposta concreta. Os empregadores ofereceram apenas renovar a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), recompor o salário com a inflação do período entre outubro de 2008 e setembro de 2009, pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC/IBGE), que atingiu 4,45%, e ativar a cláusula de negociação coletiva permanente, com reuniões mensais para discutir uma nova redação da CCT.

...mas insistem na precarização
No entanto, os sindicatos patronais exigem a suspensão da cláusula 38 da atual convenção, que garante a exigência de formação específica para o exercício da profissão de jornalista no Paraná. Ou seja, apostam suas fichas na precarização da profissão, com o fim dessa legítima exigência, conquistada pelo conjunto da categoria há 40 anos. Chegam na frente dos microfones e falam a favor da formação, mas chegam na mesa de negociação e dizem não à cláusula fundamental da nossa CCT.

É hora de mobilizar!
Diante desse ataque dos patrões à formação específica em jornalismo e do desrespeito à pauta de reivindicações —protocolada em 24 de agosto e que segue sem resposta efetiva—, mais do que nunca é hora de mostrarmos a indignação da categoria. A próxima reunião de negociação está marcada para o dia 17 de novembro, às 14 horas, na sede do Sindijor-PR (rua José Loureiro, 211). Nenhum direito a menos!

Pressão no Congresso
A direção do Sindicato dos Jornalistas já entrou em contato com os quatro parlamentares paranaenses que integram a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados e pediu apoio incondicional à PEC do Diploma, cuja votação pode acontecer amanhã. Convidamos os jornalistas do Paraná a enviar aos parlamentares mensagens sobre a matéria.

Placar dos deputados
Para esquentar ainda mais esta luta, os Sindicatos dos Jornalistas do Paraná e de Londrina preparam para a próxima semana o “Placar do Diploma”. Vamos acionar cada um dos 33 parlamentares do Estado —trinta deputados e três senadores—, que irão compor um painel com três colunas (a favor, contra e indeciso quanto ao diploma de jornalista). Alguns parlamentares já se colocaram ao lado dos jornalistas nessa luta, entre eles Dr. Rosinha, Gustavo Fruet e Rodrigo Rocha Loures.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Até quarta-feira: inscrições à Conferência Estadual de Comunicação

Estão abertas até as 18h do dia 4 de novembro as inscrições para a I Conferência Estadual de Comunicação, que acontece no Canal da Música, em Curitiba, nos dias 6 a 8 de novembro como prévia à Conferência Nacional de Comunicação (Confecom). As inscrições devem ser feitas pelo site www.confecomparana.pr.gov.br, no item “inscreva-se”. Lá também já está disponível a programação do encontro, que terá painéis em torno de três eixos temáticos: “produção do conhecimento”, “produção de conteúdo” e “cidadania: direitos e deveres”. Outras informações referentes ao evento podem ser conferidas no mesmo endereço. Os interessados em participar da conferência deverão, no ato da inscrição pela internet, indicar uma das três categorias de inscrição às quais se encaixam. São elas: representantes do poder público (nas esferas estadual e municipal), representantes da sociedade civil empresarial (dos meios de comunicação) ou representantes da sociedade civil de um modo geral (desde que não sejam do poder público ou do meio empresarial).
Programa - A edição do dia 30/10 do programa Projeto Popular, que vai ao ar na TV Educativa, terá como tema a Conferência Estadual de Comunicação. Serão entrevistadas as jornalistas Elza de Oliveira Filha, professora da Universidade Positivo, e Flora Nunes, da Universidade Estadual de Londrina e membro da Comissão Organizadora da Conferência Estadual. O programa começa às 20h10.
Mulheres – Ainda como prévia à Confecom, acontece na quarta-feira, das 14h30 às 17h, a Conferência Livre Virtual das Mulheres, numa promoção da Rede Mulher e Mídia. A videoconferência também será transmitida pelo sistema Interlegis (www.interlegis.gov.br), por meio das Assembleias Legislativas dos Estados. Mais informações pelo e-mail seminariomulheremidia@uol.com.br

Sindijor recebe inscrições ao 15º Prêmio Sangue Novo a partir de terça-feira

O Sindijor recebe a partir do dia 3 de novembro e até 8 de janeiro de 2010 inscrições para a 15ª edição do Prêmio Sangue Novo no Jornalismo Paranaense, iniciativa do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com apoio do Sindicato dos Jornalistas de Londrina para reconhecer a produção de acadêmicos de graduação em Jornalismo no Estado. Estão em disputa 18 categorias: Telejornal Laboratório, Reportagem para Televisão, Reportagem para Rádio, Reportagem Impressa, Radiojornal Laboratório, Projeto/Produto Jornalístico Livre, Projeto Jornalístico para Internet, Projeto Jornalístico para Assessoria de Imprensa, Projeto em Telejornalismo, Projeto em Radiojornalismo, Projeto em Jornalismo Impresso, Monografia, Livro Reportagem, Jornal Laboratório On-Line, Jornal Laboratório, Fotojornalismo e Videodocumentário, além da categoria especial de Relevância Social. Podem se inscrever trabalhos apresentados no ano de 2009. Na última edição, foram inscritos 310 trabalhos, incluídas as categorias laboratoriais. Clique nos links para ficha de inscrição e regulamento.

Votação da PEC do Diploma: conheça posição dos deputados e continue pedindo apoios

Está disponível no site do Sindijor um quadro elaborado pela Fenaj mostrando o posicionamento de cada um dos deputados que integram à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara acerca da PEC do Diploma. A Fenaj e os Sindicatos pedem que todos os jornalistas continuem pressionando os parlamentares via e-mail ou Twitter para que votem favoravelmente à proposta, que restitui a necessidade da formação superior específica. Na última reunião, a proposta deixou novamente de ser votada, e provavelmente só será apreciada na sessão de quarta-feira se houver inversão de pauta. O deputado Zenaldo Coutinho (PSDB/PA) apresentou voto em separado contrário à proposta, que já tem parecer favorável do relator, Maurício Rands (PT/PE).

Sindijor reúne professores e estudantes para coordenar ações pelo diploma

O Sindijor, por meio da Diretoria Administrativa para Escolas e Estudantes, vai reunir coordenadores dos cursos de Jornalismo e representantes de alunos dos cursos correlatos para uma reunião na sede da entidade no dia 9 de novembro, às 14h30. A reunião servirá para estabelecer um cronograma de mobilização e a realização de eventos em defesa da formação superior específica para o exercício da profissão nas universidades durante o mês de novembro. Além da questão do diploma e mobilização pela aprovação da PEC, a reunião servirá para divulgar o lançamento das inscrições para o 1Prêmio Sangue Novo.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Novamente adiada a votação da PEC do Diploma na CCJ

A PEC do Diploma (Proposta de Emenda à Constituição 386/2009) deixou de ser apreciada, novamente, na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara nesta quarta-feira. A proposta tinha parecer favorável do relator Maurício Rands (PT/PE), mas recebeu um voto em separado ontem do deputado tucano Zenaldo Coutinho (PA), contrário à proposta. Contra a PEC, Zenaldo Coutinho alega “mera persistência” de norma ineficaz e absurdo “enfrentamento entre Poderes”, argumentando que o Congresso Nacional não pode decidir contrariamente ao julgamento do STF. Ligado aos empresários e ex-líder da oposição, Coutinho já recebeu elogios da Abert por sua atuação em favor da radiodifusão. A luta pela PEC prossegue na reunião da próxima semana, no dia 4. Para que a proposta seja votada naquela reunião, o relator apresentará requerimento um dia antes, pedindo a inversão da pauta.

Jornalistas e patrões voltam a se encontrar na próxima terça-feira

O Sindijor-PR e o Sindicato dos Jornalistas de Londrina voltam a se reunir com os patrões na próxima terça-feira, a partir das 10h, na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, em Curitiba, para mais uma rodada da negociação da Convenção Coletiva de Trabalho. No último encontro, a mesa-redonda da quinta-feira passada, os representantes patronais ficaram de avaliar a possibilidade de manutenção da Convenção Coletiva de Trabalho, com o repasse da inflação dos últimos 12 meses, medida pelo INPC/IBGE (4,54%), com o compromisso de discussão das demais reivindicações, para uma negociação permanente. A mobilização da categoria deve continuar e ser ampliada, para que não haja perdas de direitos e para que alcancemos novas conquistas. Nenhum direito a menos!

Sindijor participa de reunião na Gazeta do Povo

O Sindijor participou na segunda-feira da primeira reunião convocada para a formação de uma comissão de empregados da Gazeta do Povo, que discutirão os problemas internos da empresa desde infra-estrutura até o acompanhamento do banco de horas ora em funcionamento. O diretor de Defesa Corporativa do Sindijor, Pedro Serápio, será um dos integrantes, e relata que tal comissão será formada por oito integrantes titulares e dois suplentes. O objetivo é que cada um dos membros represente editorias e setores do jornal.

Sindijor planeja ações para os próximos meses


Integrantes da direção e funcionários do Sindijor participaram no último sábado da reunião de planejamento da entidade, realizada na sede do Sindipetro-PR/SC, em Curitiba. Mediada por Gustavo Erwin Red, membro da Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS), a reunião listou prioridades e traçou algumas ações emergenciais do sindicato para os próximos meses. Entre os eixos prioritários estão questões ligadas à gestão administrativa, à mobilização de estudantes, à comunicação sindical, à organização de delegacias, aos eventos e à campanha salarial. (Foto: Mauren Lucrécia)


Em Ponta Grossa, presidente do Sindijor defende formação e mobiliza colegas

O presidente do Sindijor, Márcio Rodrigues, participou nesta terça-feira de uma mesa de debates durante a XVIII Semana de Comunicação da Universidade Estadual de Ponta Grossa. Ele fez uma defesa da necessidade da formação superior em Jornalismo durante uma mesa de debates com o jornalista Juca Varella, repórter-fotográfico e chefe de fotografia do jornal O Estado de S.Paulo. Rodrigues ainda percorreu as redações dos diários impressos da cidade – Diário dos Campos e Jornal da Manhã – onde conversou com colegas sobre o andamento da negociação da Convenção Coletiva de Trabalho. Para saber mais sobre a Semana de Comunicação da UEPG, clique aqui.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Protesto da campanha salarial reúne jornalistas, estudantes e deputados em Curitiba; patrões não dão resposta

Fotos Leandro Taques
Manifestação do Sindijor-PR em Curitiba


Do Sindijor-PR


Os representantes patronais seguem sem apresentar nenhuma contraproposta à pauta de reivindicações da categoria, protocolada há dois meses, no último dia 24 de agosto. Na mesa-redonda desta quinta-feira (22/10), realizada na sede da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE) no Paraná, a atitude dos patrões se resumiu a mais uma vez negar o atendimento do conjunto das reivindicações.

A ausência de uma resposta concreta aos itens da nossa pauta — aliada ao ofício em que os patrões ameaçam com uma série de ataques aos nossos direitos históricos — revela a falta de respeito das empresas de comunicação em relação ao conjunto da categoria.

Do lado de fora da SRTE cerca de 40 pessoas entre jornalistas, estudantes, autoridades e membros dos movimentos sociais e de outras categorias, prestavam solidariedade e demonstravam seu repúdio aos ataques contra direitos já garantidos na convenção coletiva dos jornalistas do Paraná. Esta foi a primeira vez que a nossa categoria fez esse tipo de manifestação que teve a presença dos deputados estaduais Professor Lemos e Tadeu Veneri, do presidente da Central Única dos Trabalhadores, Roni Barbosa e representantes dos sindicatos dos Bancários, Correios, Justiça Estadual, Educadores do Paraná e Servidores de Curitiba.


Reunião

Durante a reunião, os representantes patronais se comprometeram apenas a avaliar a possibilidade de manutenção da Convenção Coletiva de Trabalho, com o repasse da inflação dos últimos 12 meses, medida pelo INPC/IBGE (cerca de 4,45%).

Os Sindicatos cobraram a discussão das demais reivindicações, como o aumento real de salário e a concessão de vale-alimentação, entre outras. E exigiram ainda o comprometimento dos patrões para uma negociação permanente, com reuniões mensais entre novembro de 2009 e setembro de 2010, para que trabalhadores e empregadores discutam a pauta de reivindicações dos jornalistas.

Representante dos sindicatos patronais, o advogado Roberto Santiago solicitou a realização de uma próxima reunião, marcada para 3 de novembro, também na SRTE, às 10h. A mobilização da categoria deve continuar e ser ampliada, para que não haja perdas de direitos e para que alcancemos novas conquistas. Nenhum direito a menos!


Reunião entre os dirigentes do Sindijor-PR e do Sindicato de Londrina com os representantes dos patrões


quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Prêmio Ocepar: trabalhos jornalísticos podem ser inscritos até 1º de novembro

Os interessados em participar do 6º Prêmio Ocepar de Jornalismo tem até o dia 1º de novembro para efetuar as inscrições. Serão distribuídos um total de R$ 51 mil em prêmios para as melhores reportagens que abordarem o tema "Cooperativas: desenvolvimento sustentável com produtos e serviços de origem garantida". Os vencedores serão conhecidos no dia 26 de novembro de 2009, durante o Encontro Estadual de Cooperativista, que será realizado em Curitiba.
Ramos - Podem concorrer reportagens relacionadas aos diversos ramos do cooperativismo: agropecuário, crédito, saúde, transporte, turismo, habitacional, educacional, infraestrutura (eletrificação rural), consumo, mineral e trabalho. Serão considerados os trabalhos publicados ou veiculados de 1.º de janeiro a 31 de outubro de 2009, nas categorias jornalismo impresso, telejornalismo, radiojornalismo, mídia cooperativa, especial ramo crédito e especial ramo saúde e que façam menção ao cooperativismo paranaense. O Prêmio Ocepar de Jornalismo tem o apoio da Federação Unimed Paraná e do Sicredi Paraná.
Expectativa - Segundo o coordenador de comunicação da Ocepar, Samuel Milléo Filho, a expectativa é superar o número de trabalhos inscritos no ano anterior, que foram 94. O regulamento está disponível no site: http://www.ocepar.org.br/. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (41) 3200-11150.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Jornalistas protestam na quinta-feira (22/10) contra absurda proposta patronal para CCT

Da assessoria de imprensa do Sindijor-PR:

Depois de doze anos sonegando aumento real, barões da mídia paranaense querem instituir o achatamento de salários e a contratação de pessoas sem formação

Jornalistas paranaenses vão se reunir na próxima quinta-feira, dia 22, a partir das 14h30, em frente à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (Rua José Loureiro, esquina com Travessa da Lapa), em Curitiba, para protestar contra a proposta patronal para a Convenção Coletiva de Trabalho da categoria para o período de outubro de 2009 a outubro de 2010. Será antes da mesa-redonda entre os Sindicatos dos Jornalistas (do Paraná e de Londrina e Região Norte) e as entidades patronais de jornais, revistas, TV e rádio, prevista para começar às 15h.
A proposta patronal foi apresentada aos jornalistas com um atraso considerável – apenas no dia 6 de outubro, após a data-base da categoria, dia 1º –, e em termos absurdos: o piso salarial da categoria (hoje em R$ 1.961,81) seria congelado, e um novo piso, menor que o atual, seria criado.
A proposta vai além e pretende acabar com uma das principais conquistas da categoria, a jornada de trabalho, que, pela previsão da CLT (art. 303), é de cinco horas. A intenção dos patrões com a expansão da jornada é fazer a compensação por meio de banco de horas – um mecanismo perigoso e frequentemente desvantajoso para os trabalhadores.
Aproveitando-se da decisão do STF sobre a não obrigatoriedade do diploma – cujo acórdão sequer foi publicado e da qual o Ministério do Trabalho e Emprego ignora a extensão -, os patrões querem ainda extinguir a cláusula da Convenção que prevê a contratação exclusiva de formados, para poder abrigar nas redações pessoas sem formação.
Além de acintosa em si, trata com completo desprezo toda a proposta inicial dos jornalistas, apresentada há dois meses. Formulada em termos adequados à realidade dos veículos de comunicação do Estado, o pleito dos trabalhadores inclui a reposição da inflação (4,54%), aumento real de 5,5% (como aconteceu para 77% das categorias de trabalhadores no 1º semestre deste ano) e a implantação de vale-alimentação, item básico, hoje fora da realidade de quase todos os jornalistas do Estado.
REALIDADE DURA
Um dos mais rasos argumentos dos patrões é de que o jornalista paranaense tem o maior piso salarial do país, ou seja, empresários que faturam mais e mais, mesmo em tempos de crise, acham que o jornalista “ganha demais”. O que eles não contam é que o jornalista paranaense, em média, ganha 30% a menos que um colega seu empregado no mercado do Rio de Janeiro ou de São Paulo, ou metade do que recebe um jornalista que trabalha em Brasília. Também não mencionam que hoje o piso salarial dos jornalistas (R$ 1.961,81) está abaixo do salário mínimo necessário calculado pelo Dieese (R$ 2.065,47).
Não bastasse pretender diminuir o piso salarial, que não tem aumento real há 12 anos, a intenção patronal é extinguir o anuênio, adicional de 1% por ano trabalhado na empresa, que hoje é o único mecanismo efetivo de expansão da renda do trabalhador ao longo de sua carreira. A perda seria agravada com o banco de horas, que não traz benefícios financeiros ao trabalhador. A possibilidade de contratação de pessoas sem formação tende ainda a minar deteriorar as condições de trabalho e a remuneração.

Manifestação na mesa-redonda com patrões
Quando? Dia 22 de outubro, quinta-feira, a partir das 14h30.
Onde? Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE, antiga DRT, Rua José Loureiro, 574, esquina com Travessa da Lapa, Centro de Curitiba).

Boletim Mural de Campanha nº 5 - Venha dizer 'não!' ao assalto a nossos direitos

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

I Conferência Livre de Comunicação de Curitiba e Região Metropolitana

A 'contraproposta' patronal: Um verdadeiro tapa na cara dos jornalistas do Paraná

Leia você mesmo o ofício encaminhado pelos patrões ao Sindijor-PR:




Concurso do BNDES oferece 30 vagas para comunicadores

O BNDES está selecionando 30 comunicadores sociais por meio de concurso, que está com inscrições abertas até o dia 25. As vagas, em cadastro de reserva, são para futura lotação no Rio de Janeiro sob regime da CLT, com salário de R$ 7.357,89. As inscrições custam R$ 54, e as provas acontecem em Brasília, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo. Mais informações no site da Cesgranrio.

Ipea promove curso para jornalistas no Museu Oscar Niemeyer

Como parte das comemorações de seus 45 anos, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), realizará, de 26 a 29 de outubro, no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, o curso gratuito “Brasil – Ipea 45 Anos – Panorama Econômico-Social: uma Atualização”. Em parceria com o Governo do Estado do Paraná e o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), o evento é voltado aos jornalistas profissionais e tem vagas limitadas. Trata-se de um curso de economia a partir da demanda da mídia. O objetivo é aprofundar e atualizar o conhecimento dos jornalistas sobre temas econômico-sociais e suas análises e pesquisas nas diversas áreas: setorial, ambiental, urbana e regional, social, macroeconômica e internacional, além de conhecer as principais questões sobre desenvolvimento e indicadores econômicos. Podem participar jornalistas profissionais mediante inscrições até o dia 23 de outubro. Os interessados devem encaminhar e-mail para fernanda.carneiro@ipea.gov.br com as seguintes informações: nome completo, veículo (ou especificar se for autônomo) e telefone. Haverá certificado para os participantes. Mais informações com Fernanda Carneiro (61) 3315-5114.

Funpar realiza 1º Seminário de Difusão Científica

Comunicação, ciência e sociedade são temas centrais do 1º Seminário de Difusão Científica, que será realizado dia 23 de outubro em Curitiba, no auditório do Sebrae-PR. O evento é organizado pela Funpar, em parceria com o Núcleo de Pesquisas em Economia Empresarial da UFPR (Nupem). O objetivo do encontro é debater a importância da divulgação de temas científicos em grandes jornais. Além disso, os palestrantes irão realizar uma reflexão da função estratégica da produção científica para o crescimento e desenvolvimento nacional. No encontro, estarão presentes jornalistas científicos, de importantes veículos, e representantes do sistema nacional de ciência, tecnologia e inovação. As inscrições são gratuitas, com vagas limitadas, e podem ser realizadas até o dia 21 de outubro no site da Funpar (www.funpar.ufpr.br). Receberão certificado os participantes que confirmarem presença no dia do evento.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Sindijor confirma assédio moral na Gazeta do Povo

O Sindijor formalizará amanhã representação no Ministério Público do Trabalho contra a direção da Gazeta do Povo por prática de assédio moral. Denúncias chegaram ao Sindicato apontando que jornalistas estariam sendo coagidos pela direção da empresa a retirar seus nomes da ação movida pelo Sindijor que tramita no Tribunal Superior do Trabalho pedindo que fosse reconhecido o direito à gratificação de aniversário (equivalente a um 14º salário) que a empresa pagou aos funcionários por 15 anos, sempre nas comemorações pela fundação do jornal, e que subitamente foi suspensa em 2002. O pedido foi considerado procedente em primeiro grau e confirmado pela Terceira Turma do Tribunal Regional do Trabalho em dezembro de 2005.
Diretor de Redação faz o “trabalho sujo” - Ontem, o Sindicato solicitou reunião com o diretor de Recursos Humanos do Grupo RPC, William Zampini. Durante a conversa, Zampini confirmou que o diretor de Redação da Gazeta, Nelson Souza Filho, está conversando com os jornalistas e pedindo para que eles “repensem sua participação nessa ação”. Surpreende ao Sindijor esse ato de assédio moral explícito, que fica evidente ao colocar-se um superior a solicitar de empregados sob sua responsabilidade que abram mão de um direito já reconhecido pela Justiça (a causa foi ganha nas duas instâncias). Para o Sindicato, é um desrespeito à decisão judicial e um grave ataque ao direito do cidadão em exigir, por meio do Poder Judiciário, um direito decorrente da relação de trabalho. A empresa não tem esse direito, e o Sindicato orienta seus associados a desconsiderar qualquer iniciativa nesse sentido, lembrando que, ao se colocar como autor, foi justamente para evitar esse tipo de pressão. O Sindijor ainda exige do diretor da Gazeta do Povo, Nelson de Souza Filho, que respeite a entidade autora da ação.

Em mesa-redonda, patrões continuam a propor perdas

Os patrões insistiram nesta quarta-feira, na mesa-redonda com os jornalistas na SRTE, na sua tese absurda de supressão dos direitos dos trabalhadores; mesmo assim, conseguimos manter a nossa data-base em 1º de outubro. A negociação foi chamada pelo Sindijor-PR e Sindicato dos Jornalistas de Londrina para pôr em andamento a negociação da Convenção Coletiva de Trabalho, que estava emperrada pela inércia patronal. Na semana passada, eles entregaram aos jornalistas uma proposta que incluía redução e congelamento do piso, aumento da jornada e implantação de banco de horas, além do fim da cláusula que prevê a contratação exclusivamente de profissionais com formação em Jornalismo. Uma nova mesa-redonda ficou marcada para 22 de outubro, quando se espera que os patrões tragam propostas minimamente factíveis para o andamento da negociação.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Mais por menos? Vamos dizer ‘não’ na mesa-redonda na SRTE

Vamos todos dar um não à absurda “contraproposta” patronal de redução de direitos na mesa-redonda marcada para a SRTE (Rua José Loureiro, 574), em Curitiba, nesta quarta-feira, dia 14, a partir das 15h30. As tentativas de abuso incluem redução e congelamento do piso, aumento da jornada e implantação de banco de horas, além do fim da cláusula que prevê a contratação exclusivamente de profissionais com formação em Jornalismo.

Quarta-feira, em Curitiba: Conferência Livre de Comunicação e Juventude

A União Paranaense dos Estudantes e a Comissão Paranaense Pró-Conferência Nacional de Comunicação realizam nesta quarta-feira, dia 14, a partir das 14h, no Casarão da UPE (Rua Carlos Cavalcanti, 1157), em Curitiba, a Conferência Livre de Comunicação e Juventude, como fase preparatória à Conferência Nacional de Comunicação (Confecom). À tarde, está programado um debate sobre a Confecom e seus três eixos. A partir das 15h30 haverá exibição do filme “Alma do Negócio” para debater o Direito Humano à Comunicação, além da formação de grupos de trabalho para cada eixo temático. Às 18h, começa o debate sobre liberdade do conhecimento. Mais informações, aqui.
Confecom – A Confecom, prevista para acontecer entre os dias 1º e 3 de dezembro, foi adiada, em virtude de coincidência na agenda do presidente Lula. A Conferência, agora, terá início em 14 de dezembro, em Brasília, e vai até o dia 17. As etapas prévias do Paraná não devem sofrer mudança de cronograma.
Ponta Grossa – Também no dia 14 de outubro será a vez de Ponta Grossa realizar sua Conferência Livre de Comunicação. O encontro acontece no Auditório da Universidade Estadual de Ponta Grossa.
Londrina – A 1º Conferência de Comunicação de Londrina (oficial) encerrou-se na última sexta-feira, com a aprovação de teses do Conselho Regional de Psicologia e do Movimento Negro. As propostas ainda não foram sistematizadas.
Carta de Curitiba – As entidades que participaram da 1º Conferência Livre de Comunicação de Curitiba divulgaram a Carta de Curitiba, com a sistematização das propostas.

PEC do Diploma: audiência pública nesta quinta, votação na CCJ no dia 20

A audiência pública para que se debata a PEC do Diploma na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara ficou para esta quinta-feira, dia 15. A deputada Rebecca Garcia (PP-AM), presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Diploma, adiantou à imprensa que, segundo o relator da matéria, a votação da matéria deverá ocorrer no dia 20 de outubro. Após a votação da PEC proposta pelo deputado Paulo Pimenta (PT/RS), deverá ser constituída uma Comissão Especial para agilizar a tramitação desta e de outras matérias de interesse dos jornalistas no Congresso Nacional. Mais informações, aqui.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Absurdo: com contraproposta, patrões assumem que querem deteriorar trabalho imprensa

Após dois meses de espera para começar a negociação da Convenção Coletiva, os patrões finalmente apareceram para protagonizar, mais uma vez, um papel lamentável: simplesmente querem a supressão de direitos. Os senhores da mídia no Estado querem criar um piso menor, “conforme a realidade das diversas empresas do setor” e ainda congelar o piso atual, que já não tem aumento real há 12 anos. Um absurdo frente à iniciativa dos jornalistas, que elaboraram uma factível proposta de reposição da inflação (4,54%) e aumento real de 5,5%. Pretendem ainda a extensão de jornada e a compensação com banco de horas, medidas que implicam redução de direitos e que o Sindijor sempre combateu. Eles pretendem ainda abolir a cláusula da convenção que prevê a contratação apenas de jornalistas formados, abrindo o mercado para os precários. Isto sem ter sido publicado o acórdão do STF que extinguiu a obrigatoriedade do diploma e sem que o Ministério do Trabalho tenha dado qualquer orientação acerca dos sem formação. Vamos todos dar um não a estas “contrapropostas” patronais na mesa-redonda marcada para a SRTE (Rua José Loureiro, 574), em Curitiba, no dia 14 de outubro, quarta-feira, a partir das 15h30. Venha defender a categoria deste ataque.

Entidades de Pitanga se manifestam em defesa do diploma para jornalista



A Câmara de Vereadores de Pitanga enviou ao Sindijor ofício com a moção de apoio à formação superior em Jornalismo para o exercício da profissão. A moção é referendada pela OAB/PR Subseção de Pitanga, Associação dos Municípios do Centro do Paraná (Amocentro), Associação Comercial e Empresarial de Pitanga (Acepi) e pelo Conselho de Segurança Alimentar e de Desenvolvimento Local. Segundo o presidente da Câmara, João Edival Aramoni, as entidades que subscrevem a moção entendem “garantir à sociedade brasileira um Jornalismo sério, comprometido com a verdade, embasado em conhecimentos que somente a formação acadêmica pode agregar ao talento e vocação dos profissionais da área”. Veja aqui a íntegra do ofício e da moção de apoio da OAB de Pitanga.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Curitiba realiza sua Conferência Livre de Comunicação

foto: Leandro Taques


Mais de 100 pessoas, representando 30 entidades, participaram na terça-feira, no Espaço Cultural dos Bancários, da Conferência Livre de Comunicação de Curitiba. Estiveram presentes o deputados estaduais Professor Lemos e Tadeu Veneri (PT), além de Geraldo Serathiuk, representando o governo do Estado. Foram aprovadas moções em defesa do diploma para o exercício do Jornalismo e da criação do Conselho Federal de Jornalismo como meio de garantir o contraditório na imprensa. Foram aprovadas ainda teses em defesa do controle social da mídia, do acompanhamento democrático e transparente das concessões de radiodifusão, a regulamentação da norma constitucional da complementaridade dos sistemas estatal, público e privado, da regulamentação dos serviços de banda larga, para que o acesso a eles não fique submetido tão-somente às variáveis econômicas. Uma comissão está sistematizando as propostas aprovadas.

<<<<> – No sábado tinha sido a vez de Foz do Iguaçu realizar sua Conferência Livre. Professores, estudantes, jornalistas, blogueiros, advogados, entidades debateram trouxeram ideias, críticas e sugestões de como democratizar a comunicação no país. Ao final, foi aprovada a Carta de Foz.
foto: Marcos Labanca